Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A mãe não dorme

Mãe que não dorme e que vai trabalhar todos os dias com outros filhos, os alunos! Professora contratada, eternamente contratada! Subscrevam o blog e vamo-nos lendo por aqui!

Mãe que não dorme e que vai trabalhar todos os dias com outros filhos, os alunos! Professora contratada, eternamente contratada! Subscrevam o blog e vamo-nos lendo por aqui!

A mãe não dorme

15
Nov20

Era um rádio velhinho, debaixo da cama


Vera Garcia

Sim, eu sei, já deveria de estar a dormir. Em vez disso, estou aqui deitada no meu amigo sofá, companheiro de tantas insónias, analgésico de dores nas pernas e sei lá mais o quê. Estão todos a dormir e, egoisticamente, nada mais neste momento me parece mais aprazível do que estar aqui a ouvir o silêncio. De luzes apagadas, apenas o som ténue do frigorífico e da box da televisão. Sempre tive esta relação egoísta com a noite. Lembro-me quando tinha sete ou oito anos, havia lá em casa um rádio velho que o meu avô Chico tinha trazido da Alemanha e oferecido à minha mãe. Na verdade, tudo o que era música e livros eu arrecadava no meu quarto, tal como se se tratasse de um santuário só meu. O rádio velhinho, a guitarra do meu pai, uns auscultadores, as k7s dos anos 60, 70 e 80 e os livros, que carregava um a um do sótão para as prateleiras do meu quarto. Esperava que os meus pais se deitassem, coisa que ocorria por volta da meia noite. Fingia estar a dormir profundamente quando o meu pai entrava no meu quarto a fazer a ronda...lá ia ele ver se eu estava tapada e se a janela do quarto estava trancada, não fosse algum ladrão levar-me! Entre o encostar da porta do quarto, o meu pai dava exactamente 7 passadas largas, lentas até eu ouvi-lo a sentar-se na cama, a descalçar os chinelos, a esticar-se e a tapar-se com as mantas. Silêncio. Perfeito. Num ápice, enfiava os auscultadores na cabeça, ligava-os no rádio, empurrava-o para debaixo da cama, não fosse o diabo tecê-las e ficava até à uma e tal, duas da manhã a ouvir música! ... Por vezes, tinha consciência de que, daí a umas horas, a manhã ia ser muito difícil e lá estaria a minha mãe a empurrar-me as malvadas papas Nestum com mel pela boca abaixo! No fim do meu quarto ano ou quarta classe, como se dizia antigamente, a professora fez uns versos a cada um dos seus alunos. O meu dizia assim e ainda me lembro: Ei-la, que vem a chegar! Como sempre, vem atrasada! Acabou mesmo agora de entrar, / A nossa menina envergonhada!

...

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub