Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A mãe não dorme

Mãe que não dorme e que vai trabalhar todos os dias com outros filhos, os alunos! Professora contratada, eternamente contratada! Subscrevam o blog e vamo-nos lendo por aqui!

Mãe que não dorme e que vai trabalhar todos os dias com outros filhos, os alunos! Professora contratada, eternamente contratada! Subscrevam o blog e vamo-nos lendo por aqui!

A mãe não dorme

14
Jan21

"Gritos mudos chamando..." à razão


Vera Garcia

142454460-family-with-kids-in-face-mask-in-shoppin

 

Há quem escreva maravilhosamente quando está triste. Há quem sonhe o mais idílico poema quando as horas custam a passar...dei por mim a rodar o feed de notícias do facebook, vezes sem conta...nada mais há a espremer do que a revolta das pessoas, o ódio, o sarcasmo, o rir para não chorar, o "posso ou não posso fazer isto ou aquilo"...são tempos loucos, estranhos, castradores, medonhos, sem fim à vista. Pela primeira vez nesta vida, praticamente há um ano que sinto medo de ir trabalhar. E já me cansa o discurso repetitivo de uma consciencialização para o uso da máscara na sala de aula aos meus alunos de 3⁰ e 4⁰ anos. Esta banalização errada de que as crianças destas idades não necessitam de máscara...é um discurso em vão, o meu. Ninguém quer saber. A preocupação bate apenas nos mais crescidos e nos adultos. Tão errado...errado para os mais pequenos e para os adultos que estão com eles, na escola.

Não vou mais entrar por aquela porta e soprar vendavais sobre a forma como os governos sucessivos têm olhado e tratado toda a comunidade educativa. Não vale a pena. Somos filhos de um deus menor, mas ajudamos neste momento a levar um país às costas, sem reconhecimento, sem prioridade numa vacina, única coisa que nos podia mostrar uma pequena luz ao fundo do túnel. É nossa função...é. Chego a casa e tenho medo de abraçar a minha filha. Fujo dela, para ir às pressas despir a roupa do trabalho e desinfectar-me. Por hoje calo-me, porque a tristeza tem em mim esse efeito adverso. Torna-me muda, pensativa e inerte. E assim me sinto, inerte, ao sabor de um barco que navega sem leme, em direcção ao desconhecido. 

 

Imagem retirada do google.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub